Trend Micro prevê Proliferação de Ataques Direcionados Pelo mundo em 2015 Trend Micro prevê Proliferação de Ataques Direcionados Pelo mundo em 2015 Trend Micro prevê Proliferação de Ataques

Trend Micro prevê Proliferação de Ataques Direcionados Pelo mundo em 2015 Destaque

Relatório anual de previsões feito pela empresa de segurança revela que instituições financeiras e do varejo irão sofrer com o cibercrime no próximo ano.

Salvador, 04/11/2014 – A Trend Micro, líder em tecnologia na era da nuvem, divulgou seu relatório anual de prognósticos “Previsões da Trend Micro Security para 2015 e além: O invisível se torna visível”, e destaca que ataques direcionados se tornarão frequentes em mais países no próximo ano. Isso acontecerá porque os hackers usuais tiveram sucesso ao encontrar vítimas por todo o mundo. Além disso, o relatório alerta sobre outras sete ameaças previstas para o próximo ano, incluindo bancos e sistemas de pagamento.

De acordo com o documento, campanhas de ataques direcionados irão continuar a se multiplicar em 2015, depois dos cibercriminosos terem conseguido violações notáveis por meio dos ataques direcionados nos Estados Unidos. Os especialistas em defesa de ameaças preveem que hackers de países como Vietnã, Reino Unido e Índia irão persistir no uso de ataques direcionados e serão vistos ataques contra países não tradicionais, como identificado recentemente contra organizações baseadas na Malásia e na Indonésia.

“O que estamos vendo hoje não é uma grande surpresa, mas sim medidas brutais e muito rápidas que os cibercriminosos estão utilizando para roubar informação”, diz Raimund Genes, CTO da Trend Micro. “Seguindo o sucesso dos ataques direcionados realizados por cibercriminosos chineses e russos, muitos hackers de outros países irão considerar os ciberataques como um método mais prático de conseguir um ponto de apoio dentro de uma organização. Além disso, com o grande número de violações de dados que surgem diariamente, é possível presumir que elas serão essencialmente consideradas como um ramo comum no cenário atual de segurança”.

Ameaças relativas a atividades bancárias continuarão se tornando mais severas na medida em que os ataques do cibercrime contra instituições financeiras emergem, por isso, instituições bancárias e financeiras devem implementar autenticação de dois fatores para serviços online.

“O ecossistema de pagamento irá continuar evoluindo”, diz JD Sherry, vice-presidente de Tecnologia e Soluções da Trend Micro. “Nós continuaremos a ver os autores das ameaças tentando manipular o NFC – Near Field Communication – à medida que certas plataformas ganham destaque – devido ao seu número de seguidores e à tendência dos usuários de adotarem a maior, melhor e mais recente tecnologia”.

Destaques do relatório de previsões para 2015:

• Mais cibercriminosos se voltarão para darknets – rede fechada a um grupo privado de pessoas – e fóruns de acesso exclusivo para compartilhar e vender crimeware.
• Ciberatividade maior irá ser traduzida em melhores, maiores e mais bem sucedidas ferramentas e tentativas de hackeamento.
• Kits de exploração irão ter como alvo o Android, uma vez que as vulnerabilidades móveis têm um papel maior na infecção de dispositivos.

Itens relacionados (por tag)

  • 'Pendrive de iPhone' aumenta espaço de armazenamento em até 64 GB na CES

    Aumentar o espaço de armazenamento do iPhone é impossível via cartão microSD, mas existem soluções de armazenamento externo que podem te ajudar a resolver o problema. O pendrive iBridge, da Leef, é uma ótima opção, uma vez que estende a capacidade dos dispositivos Apple da forma mais discreta possível. O dispositivo estava CES 2015, em Las Vegas, e fomos conferir a novidade.
    O modelo mais barato é o de 16 GB, que custa US$ 59,99. O de 32 GB sai a US$ 79,99, enquanto o de 64 GB tem preço de US$ 119,99. Nos Estados Unidos, a versão de 16 GB do iPhone 6 custa US$ 649 e a de 64 GB, US$ 749.

    2015-01-10-iphone01
    Comparando os valores, percebe-se que o pendrive não é uma opção exatamente econômica. Na verdade, ele é mais uma solução para quem já comprou o gadget da Apple e percebeu que a memória foi insuficiente em algum momento, seja para guardar músicas, imagens ou outros arquivos.
    Apesar disso, ele apresenta algumas vantagens: ele conta com versões de até 256 GB (US$ 399,99), o que não é oferecido originalmente pela maçã. Além disso, seu aplicativo é capaz de suportar mais formatos de conteúdo multimídia do que o iOS faz de forma nativa. O gadget ainda está em pré-venda.

  • Uso intenso de smartphones provoca alteração no cérebro

    Usuários de smartphones têm cérebros "esculpidos" pelo uso repetido de toques nas telas

    A Utilização intensa de certos tipos de telefones celulares está provocando uma alteração no cérebro de usuários pela adaptação à nova atividade motora. A conclusão faz parte de um estudo feito pelo Instituto de Neuroinformática da Universidade de Zurique, que analisou as reações de um grupo de 37 voluntários.

    Segundo os pesquisadores, os cérebros dos usuários dos chamados smartphones estão sendo alterados pela operação repetida das telas de toque. Para medir a atividade cerebral do grupo, os cientistas utilizaram a técnica conhecida como eletroencefalografia ou EEG na sigla em inglês. Eles perceberam diferenças marcantes entre os usuários de smartphones e aqueles que utilizavam celulares "convencionais".

    Analisando os resultados do EEG, os cientistas concluíram que os usuários de smartphones demonstravam maior destreza no uso dos dedos. Dos 37 voluntários, 26 eram usuários de smartphones com telas de toque e 11 se mantinham fieis aos modelos mais antiquados de celulares.

    O teste de EEG monitorou os impulsos elétricos trocados entre o cérebro e as mãos dos indivíduos através dos nervos. A atividade foi monitorada por diversos eletrodos colocados no couro cabeludo de cada voluntário, capazes de captar esta troca de mensagens na forma sensorial.

    A partir dessas informações, os pesquisadores puderam criar um "mapa" que indica a porção do tecido cerebral dedicada à operação de uma determinada parte do corpo.

    Os resultados revelaram diferenças distintas entre os usuários de smartphones com telas de toque e os que usam telefones celulares convencionais. Os usuários de smartphones apresentaram maior atividade cerebral em resposta aos toques dados na tela dos aparelhos pelos dedos médio, polegar e indicador. E, aparentemente, isto está ligado à frequência com que se usa o smartphone - quanto mais frequente é o uso, maior é a resposta registrada pelo EEG.

    Segundo os cientistas, o resultado - publicado na revista científica Current Biology - faz sentido, uma vez que o cérebro é maleável e, portanto, pode ser moldado pela utilização prática repetidamente.

    Eles citam como exemplo os violinistas, que têm a área do cérebro dedicada ao controle dos dedos usados para tocar o instrumento maior do que a mesma área do cérebro de alguém que não toca violino.

    Os pesquisadores acreditam que o mesmo está acontecendo com os usuários de smartphone - eles estariam tendo seus cérebros "esculpidos" pelo uso repetido pelos toques nas telas dos aparelhos.

    Arko Ghosh, que liderou o grupo de pesquisadores da Universidade de Zurique, disse que ficou surpreso pela "escala das mudanças introduzidas (no cérebro) pelo uso de smartphones".

    Ele acrescentou que o estudo reforça a ideia de que a onipresença dos smartphones está tendo um grande efeito na nossa vida cotidiana.

  • Positivo S480,o novo concorrente do Moto G, chega forte.

    O Positivo S480 é, definitivamente, o melhor feito da fabricante brasileira no mundo dos smartphones. Em sua confecção, a Positivo tomou algumas boas decisões acertadas: acertou nos componentes internos, aceitou no Android “quase puro” e acertou ao colocá-lo nas prateleiras com ótimo custo-benefício. O S480, no entanto, não é perfeito, e enfrenta dura competição de queridinhos como o Moto G e o novato Zenfone 5, que oferecem bom desempenho a preço baixo de R$599,00.

    Design

    O S480 é um smartphone sóbrio. Ele é um carinha bonito, mas não é do tipo que chama a atenção por escolhas inovadoras de design. O S480, embora carregue uma razoável tela de 4,5 polegadas, não é um aparelho largo. Isso porque, mais ou menos como aconteceu com os iPhone 5 e iPhone 5S, a Positivo optou por “esticar” seu smartphone e poupar as laterais. No fim das contas, a pegada é ótima, apesar de às vezes gerar a sensação de que o aparelho é um pouco mais alto do que deveria. A vantagem? Ele é super confortável para se usar com uma só mão.

    Um ponto negativo do S480 é o aproveitamento das laterais. Num mercado em que a tendência é aproveitar cada espacinho criado e ocupá-lo por telas cada vez maiores, a Positivo deu uma escorregada. O smartphone, na parte frontal, tem duas grandes faixas subutilizadas na parte de cima e na de baixo. A inferior explica-se: foi lá que a fabricante colocou os botões capacitivos, sensíveis ao toque, em vez de posicioná-los na própria tela como uma parcela da concorrência faz.

    A tampa traseira do S480 é removível, e há três opções de cores para a troca: uma em preto fosco e duas metalizadas (uma prata e outra bordô). O encaixe dessas tampinhas é bom, mas não passa ao usuário a sensação de carregar um aparelhos de corpo único como vemos no Moto G, por exemplo.

    Um detalhe interessante: a faixa lateral "metálica" que envolve o celular é, na verdade, feita de plástico. O material imita uma espécie de aço escovado, uma estratégia que não é inédita no mercado e dá um visual mais interessante aos smartphones básicos e intermediários. Falando em visual, outro ponto positivo é o fato de as duas entradas de chip SIM e a de cartão de memória (o S480 aceita cartões microSD) estarem "escondidas" sob a tampa traseira, o que contribui para um visual mais clean.

    Desempenho

    Desempenho: eis o quesito que garante uma boa nota em custo-benefício para o aparelho. A Positivo fez boas escolhas tanto para hardware quanto para software, o que gera um desempenho satisfatório mesmo rodando jogos pesados.
    O S480 carrega a versão 4.4 KitKat do Android. Com o lançamento do Android 5.0 Lollipop, ela deixou de ser a mais atual (e a mais bonita também), mas tem a vantagem de ser leve e rodar bem mesmo em dispositivos mais modestos. Dito isso, há outro ponto a ser considerado e que garante um celular bacana: a Positivo fez pouquíssimas mudanças no Android original, deixando-o praticamente "puro".
    saiba mais
    Confira o review completo do novo Moto G
    Leia a análise do Zenfone 5, da Asus
    Conheça o app que promete melhorar o desempenho do Android
    A opção pelo Android "puro", com poucas modificações de interface e próximo do que o Google planejou ao desenvolver o sistema, geralmente garante um aparelho mais leve e livre daquelas personalizações e funcionalidades extras incluídas pelas fabricantes. E o S480 é um bom exemplo disso: ele tem toda a "carinha" do Android original, mais ou menos como vemos nos aparelhos Nexus e nos smartphones atuais da Motorola.
    Como nem tudo é perfeito, a Positivo inclui, sim, algumas pequenas modificações. Há alguns demos de joguinhos da Gameloft, o Opera Mini pré-instalado e o antivírus McAfee. Fora isso, há novidades como uma central de notificações mais recheada, por exemplo, mas nada que torne o sistema irreconhecível.
    Em relação ao hardware, o S480 conta com um processador MediaTek. Trata-se de um quad-core de 1,3 GHz, que vem acompanhado de 1 GB de RAM. Completam as especificações os 8 GB de memória interna, que podem ser expandidos via cartão microSD.
    Durante os nossos testes, o S480 apresentou um desempenho bastante justo. Ele deu umas leves engasgadas aqui e ali, mas rodou bem a maior parte dos aplicativos testados - e a lista inclui jogos mais pesados, como Asphalt 8: Airborne. Ele não tem desempenho comparável aos grandes tops do mercado, mas também não faz feio. É aquele clássico: para quem quer ler e-mails, navegar na Internet e acessar redes sociais, ele é mais do que suficiente.

    Tela

    No quesito tela, o S480 acertou nas cores, no contraste, no brilho... E abriu mão de uma boa resolução da tela. O celular, com sua tela de 4,5 polegadas, carrega uma resolução de 480 x 854 pixels, inferior à de boa parte da concorrência. O Moto G, por exemplo, tem tela HD (720 x 1280 pixels), assim como o Zenfone 5.

    O que isso quer dizer na prática? É possível enxergar os pixels, aqueles pequenos quadradinhos que compõem a tela, a olho nu com certa facilidade. Isso só se torna realmente um problema na hora de ler textos com fontes pequenas ou para enxergar detalhes de uma foto, por exemplo. Por outro lado, a tela do S480 tem a vantagem de ser IPS LCD e garantir bons ângulos de visão.
    Câmera

    Se a Positivo economizou na tela, ela até que fez bonito na câmera. O sensor e lentes do S480 são fabricados pela Sony, o que já dá a garantia de obter imagens do mínimo razoáveis. A câmera tem 8 megapixels de resolução, e vem acompanhada por um flash LED duplo, que dá conta do recado.

    Durante nossos testes, tivemos ótimos resultados em cliques sob luz natural. Em ambientes internos, a câmera não se saiu tão bem, apresentando imagens desfocadas ou muito escuras no modo automático. Vale lembrar que estamos falando de um smartphone de R$ 599, o que gera um custo-benefício neste quesito bastante surpreendente.

    Custo-benefício

    Falando em custo-benefício, é inegável que esse é mesmo o ponto forte do S480. Para se equiparar à concorrência e atrair o consumidor para a marca nacional, a Positivo colocou preços bem agressivos no modelo. Com preço sugerido de R$ 599 no kit com as duas capinhas extras, o Positivo S480 escorrega aqui e ali, como na tela de baixa resolução e no design "careta", mas tem suas vantagens inegáveis.
    Para os dispostos a dar uma chance, nos nossos testes chegamos à conclusão de que o Positivo S480 vale o que custa. É um aparelho justo a um preço justo e, embora não seja a melhor opção na sua faixa de preço, deve ser levado em consideração pelo consumidor.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.